Os moradores de Ponto Belo, reclamam laudos que atestem a qualidade da água distribuída à população e o devido funcionamento da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do município, localizada no bairro Castanheira.

O requerimento foi protocolado na Companhia Espírito-Santense de Saneamento (Cesan), no Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) e no Ministério Público Estadual (MPES) e é assinado por três moradores do município.

Os dois serviços são cobrados há mais de dez anos pela Cesan, conta um dos requerentes, Fabiano Mendes de Almeida. Há mais de seis anos, porém, os moradores percebem o abandono da ETE, com consequente despejo de esgoto sem tratamento nos mananciais.

“O caminhão sempre rodava por lá, mas não vai mais. Está tudo abandonado, contaminando o rio e as nascentes em volta do ‘pinicão”, conta Fabiano, referindo-se aos caminhões que iam retirar o material sólido decantado na lagoa da ETE.

“Hoje o ‘pinicão’ está cheio. E quando enche, eles abrem e jogam tudo no rio”, conta . Os moradores, diz o denunciante, temem também pela qualidade da água servida nas torneiras e pela poluição do Rio Itauininhas, que corta a cidade e deságua nas represas de Mucurici, onde é realizado turismo recreativo famoso na região.

No vídeo que circula nas redes sociais, outro denunciante, Roberto Pereira de Almeida, o Beu, mostra uma nascente que aflora água em meio ao terreno da Cesan, próximo ao “pinicão”. “Tem vários anos que eu moro aqui em Ponto Belo, mas nunca vi ninguém vir tratar essa água que é jogada na natureza. Não estou falando que não deve ser cobrado. Deve sim, mas que eles façam o trabalho correto, que façam o tratamento na nossa água pra não ser devolvida na natureza suja”, relata, enquanto caminha pela área da ETE, mostrando uma estrutura de alvenaria abandonada.

Deixe sua opinião: