A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) confirmou a ocorrência no Estado de infecção em equídeo pelo vírus da Febre do Nilo, uma doença neurológica. O caso foi registrado em uma propriedade em São Mateus, e o Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal  (Idaf) teve conhecimento a partir da notificação de óbitos em cavalos na região, o que chamou atenção dos técnicos responsáveis na Sesa e desencadeou o trabalho de investigação dos casos. O exame confirmatório foi realizado pelo Instituto Evandro Chagas, laboratório oficial do Ministério da Saúde.
Sintomas em Humanos!
Nos meses de abril e maio deste ano, o Idaf recebeu seis notificações de mortalidade de equídeos por síndromes neurológicas nos municípios de Baixo Guandu, Nova Venécia, Boa Esperança e São Mateus. Apenas uma coleta indicou caso positivo para o vírus em questão. Em 2017, foram 25 notificações em todo o Estado, mas nenhuma com diagnóstico da doença.

A Febre do Nilo é uma zoonose, ou seja, pode ser transmitida aos seres humanos. A transmissão ocorre pela picada de mosquito. Humanos e equídeos não são capazes de infectar os mosquitos responsáveis pela transmissão da doença, nem transmitem a doença entre si.

Até hoje, não houve registro da doença em humanos no Espírito Santo. No Brasil, o Piauí foi o primeiro estado a registrar um caso da doença, em 2014.

Em geral, os sintomas nos animais são falta de coordenação motora, andar cambaleante, cegueira, cabeça baixa, orelhas caídas, apatia, podendo ser fatal. A doença também acomete aves e, nesses animais, observa-se mortalidade elevada. Não há tratamento específico.
A Sesa alerta que a comunicação é essencial para detectar a ocorrência de possíveis casos da doença e adotar as medidas sanitárias necessárias. Por isso, ao notar casos de mortalidade em equinos ou sinais de doenças neurológicas, a Sesa e o Idaf devem ser imediatamente notificados. A notificação pode ser feita diretamente nos escritórios locais do Idaf, por telefone ou mesmo por e-mail. Os contatos dos municípios estão disponíveis no site do Idaf (www.idaf.es.gov.br). Também é possível notificar na Secretaria Estadual de Saúde, pelo telefone (27) 9.9849-1613 ou pelo e-mail [email protected]
O órgão garante que o trabalho de investigação epidemiológica se mantém nos municípios onde houve notificação, para acompanhar as propriedades, verificar novas ocorrências e realizar a vigilância em relação à mortalidade de aves silvestres.
fonte:seculodiario.com

DEIXE AQUI SUA OPINIÃO:

Os comentários não representam a opinião do portal